20.5 C
Brasília

Caminhada Outubro Rosa Contra Feminicidio uniu gerações

Data:

Compartilhe:

Várias caravanas de outras cidades do Distrito Federal, se somaram as entidades civis organizadas do Guará, reunidas para dar um grande grito de Parem de nos Matar, no dia 29 de setembro (domingo), a partir das 8 horas ao lado da 4ª Delegacia de Polícia, no Guará II, em direção à Rua de Lazer, na avenida Central. O movimento uniu gerações de homens e mulheres em busca de paz. Este movimento nasceu em Taguatinga, onde foi realizada a primeira caminhada, e está se espalhando pelas comunidades em busca de proteção às mulheres do DF.O número alarmante de feminicidio no ano de 2019 acendeu o alarme de que algo precisa ser feito , no mesmo domingo mais uma mulher foi morta com 32 facadas no Riacho Fundo pelo seu companheiro. Ela já possuía medida protetiva e fez três denúncias na delegacia.

A caminhada do Guará foi realizada, também, com um chamamento para o Outubro Rosa, mês de conscientização para a prevenção do câncer de mama, em todo o país. Segundo Vera Lucia Bezerra, coordenadora da Rede Feminina de Câncer  Brasília, que funciona dentro do Instituto Hospital de Base, os atendimentos às pacientes chocam ainda mais porque muitas delas, mesmo com a doença, ainda sofrem agressões e violências dentro do lares. “Em outubro temos a oportunidade de uma ampla divulgação para um trabalho que realizamos todos os dias , com 480 voluntários entre homens e mulheres. Nossa rede precisa de apoio de toda população. Segundo dados estimados, em 2030, metade das mulheres do DF podem ter câncer de mama”, revela a voluntária.

  Outros grupos, formados através das mídias sociais  caminharam com a população do Guará. Entre eles o Mães& Filhas do Guará e o Basta, Pare de Nos Matar, com plataforma no Facebook e Instagram. Juntaram-se a nós, no mesmo evento , o grupo de motoqueiros Águias de Cristo, do Guará e Nacionaes de Águas Claras ; o grupo de Escoteiros do Brasil Hokman Guará, ciclistas, grupo Ginástica nas Quadras. A parte cultural da caminhada ficou a cargo de Sheiza Braga, irmã da  “capoeirista Sandrinha”, morta carbonizada dentro de um contêiner na QI11, Guará I, em março de 2018. A contadora de histórias, Nyedja Gennari fez uma performance sobre as vidas das vítimas mortas em 2019.

publicidade
zuleika

Quem é Zuleika Lopes

1

━ Relacionadas

Caesb abre processo seletivo para estágio remunerado

Estudantes de nível médio, técnico e superior poderão se inscrever entre os dias 28 de maio e 12 de junho A Companhia de Saneamento Ambiental...

Mamulengo Fuzuê inicia projeto de Teatro Popular de Bonecos em Ceilândia, Sol Nascente/ Pôr do Sol

O projeto VIVA O MAMULENGO! se estende durante todo o ano de 2024. Serão realizadas ações para fortalecer a salvaguarda da tradição, a formação...

Capital receberá o primeiro Festival da Cachaça de Brasília

Evento será realizado de 22 a 26 de maio, no completo do Mané Mercado. Além da degustação de bebidas, festival reunirá grandes nomes da...

Festa Origem traz o melhor eletronic music para a Capital

A festa Origem está chegando! No dia 29 de junho, um dos maiores eventos de eletronic music da capital ocupará as montanhas do Paraíso Achado. Se prepare...

UNICEPLAC lança curso de Ciência de Dados e Marketing Digital

Com duração de 2 anos, graduação está entre as profissões do futuro que devem dominar o mercado já em 2024, segundo estudo do Fórum...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

error: Conteúdo protegido