29.5 C
Brasília

Onde mora o perigo?

Data:

Compartilhe:

(Crianças e adolescentes são vítimas de violências sexuais diariamente).

*Paulo Santos

Rotineiramente somos alvejados com notícias de crianças e adolescentes que são vítimas de algum tipo de violência sexual. Essas informações trazem um contexto assustador da maldade humana na prática, onde presenciamos inúmeras violências que acabam com o futuro dos inocentes.

O artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é categórico ao afirmar que compete a família, a comunidade, a sociedade em geral e ao poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos inerentes às crianças e aos adolescentes, ou seja, é nosso dever proteger a infância das crianças e adolescentes.

Esse tema, que sempre volta à tona, é divulgado nas revistas, jornais, redes sociais e aplicativos de mensagens, mas ainda precisa de uma atenção especial da sociedade e principalmente do poder público no combate a essas violações de direito.

Quando uma criança ou adolescente é vítima de qualquer violência sexual ela perde a sua infância, sua essência, a sua pureza, a sua identidade, ou seja, os reflexos das violações são aniquiladores.

O desenvolvimento psicológico delas é abalado, comprometido e passam a viver com traumas irreversíveis, que na maioria das vezes, os acompanham até o final da vida.

No Brasil, existem legislações e políticas públicas de proteção à infância, porém, muitos pequeninos ainda são alvos de pessoas inescrupulosas.

Como proteger a infância de nossas crianças e adolescentes? Como resguardar os direitos inerentes a elas?

É uma tarefa difícil e que exige um grande empenho da sociedade, principalmente na luta pela efetivação dos direitos e garantias inerentes a eles.

A sociedade precisa acordar para esse grande problema que assombra, aterroriza e sufoca os pequeninos.

Essa atuação em defesa deles deve ocorrer de forma sistemática, diária e em todos os ambientes que elas convivem.

Em 2018, foi registrado no Brasil, ao menos, 32 mil casos de abuso sexuais, sendo o maior número já apontado no Ministério da Saúde. Fonte: http://crianca.mppr.mp.br/2020/03/231/ESTATISTICAS-Tres-criancas-ou-adolescentes-sao-abusadas-sexualmente-no-Brasil-a-cada-hora.html) Esse dado é ameaçador e muito preocupante, pois a cada hora, em média, quatro crianças são vítimas de algum tipo de violência sexual no Brasil.

Infelizmente, por muitas vezes, o perigo mora dentro de casa ou bem perto dela. Na maioria dos casos que envolvem violências sexuais perpetradas contra crianças e adolescentes os violadores são os próprios membros da família: pais, mães, padrastos, tios, primos, avós, etc.

Ocorrem, também, violências sexuais dentro de instituições de ensino, entidades religiosas e praticadas ainda por vizinhos ou pessoas bem próximas das crianças.

É muito triste e inquietante o fato da criança e do adolescente não estarem seguras dentro do próprio seio da família, em sua vizinhança e em sua escola.

No ano de 2019, na Região Administrativa do Guará Distrito Federal, um catequista de 47 anos, a época, foi acusado de estupro de vulnerável praticado contra várias crianças entre 04 (quatro) a 10 (dez) anos.

Só nos sete primeiros meses de 2020, o Distrito Federal já registrou quase 200 casos de estupros praticados contra crianças e adolescentes. Porém, em muitas situações o registro desse tipo de violação não chega ao conhecimento do poder público.

Devemos ficar atentos e vigilantes constantemente, pois conteúdos pornográficos são produzidos a todo o momento e disponibilizados sem nenhum controle nas redes sociais. Valores exorbitantes são pagos por conteúdo pornográfico que envolva sexo com crianças e adolescentes.

Podemos dizer que alguns seres humanos estão doentes e é um risco para a sociedade, sendo as crianças e os adolescentes as grandes vítimas desses estupradores, pedófilos.

É o momento de exigirmos do poder público penas mais severas e, principalmente, uma atuação mais contundente.

Faz-se necessário o fortalecimento dos órgãos do Sistema de Garantia de Direitos. Não é novidade para a sociedade que muitos Conselhos Tutelares espalhados pelo Brasil estão sucateados.

O momento é desafiador e exige uma ação conjunta da sociedade e das autoridades competentes para enfrentarmos com muita eficiência esses criminosos que destroem vidas, sonhos e a infância da nossa juventude.

Paulo Santos é Conselheiro Tutelar no guará e funcionário da Secretaria de Educação do DF
zuleika

Quem é Zuleika Lopes

1

━ Relacionadas

Plano de Arborização é lançado no Guará pelo governador Ibaneis Rocha

Lançado na manhã deste sábado (24) pelo governador Ibaneis Rocha, plano ambiental teve início pelas quadras QEs 48 a 52 do Guará II O Governo...

Veículo roubado no Guará I foi recuperado pela PMDF na Estrutural

Os bandidos não tiveram tempo de desfrutar do produto do roubo que realizaram no Guará, na última sexta-feira, 23/02. A operação conjunta entre...

Novo pavilhão de salas de aula no Guará em fase de conclusão das obras

Fui ver, de perto, as novas instalações que estão sendo construídas dentro da Escola Classe 08, localizada na entrequadra 28/30, com início das aulas...

Programa Fábrica Social tem inscrições abertas até 13 de março

Podem participar jovens a partir de 16 anos que comprovem algumas condições, como renda familiar per capita de até R$ 200 Por meio da Secretaria...

Fluminense: derrota merecida

Por Raimundo Ribeiro O Fluminense subiu o morro para enfrentar a LDU, no primeiro jogo valendo o título da recopa sul americana.Ainda se adaptando a...

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Paulo, ótimo texto, infelizmente este mundo está cruel para os nossos pequenos, precisamos estar atentos e proteger esses seres tão frágeis!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

error: Conteúdo protegido