12.5 C
Brasília

Eca completa 31 anos e violações aos direitos das crianças e adolescentes ainda são gritantes

Data:

Compartilhe:

*Paulo Santos

No dia 13 de julho de 2021 o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 31 anos. Os órgãos de proteção e de garantia de direitos promovem ações, nesse dia, visando ampliar e fortalecer as políticas públicas na área da infância.

É fundamental que a sociedade entenda qual o seu papel para garantir a efetividade dos direitos inerentes à criança e ao adolescente.

A família deve assumir o protagonismo na defesa e na garantia dos direitos inerentes aos cidadãos que estão em desenvolvimento.

É fundamental clarear o entendimento que a criança e o adolescente são sujeitos de direito e que estão em pleno desenvolvimento.

Entendendo o seu papel e assumindo o protagonismo muitas violações de direitos não serão praticadas, por quem, na verdade, deveria protegê-los.

O número de violações de direitos praticados por membros da família ou por pessoas próximas as crianças e adolescentes são inaceitáveis.

O Poder Público deve priorizar e fomentar as políticas públicas na área da criança e do adolescente, garantido o acesso aos serviços públicos fundamentais ao seu desenvolvimento.

Após 31 anos da promulgação do ECA ainda se faz necessário buscarmos o fortalecimento da política pública na área da infância.

Reza o artigo 7º do ECA que a criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência.

Disciplina o artigo 131 do da Lei 8.069/90 – ECA que o Conselho Tutelar é órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, definidos nesta Lei.

Em situações de violações direitos, seja pela família, pela comunidade ou pelo próprio Estado, o Conselho Tutelar deve ser acionado, pois tem como atribuição zelar pelo cumprimento dos direitos inerentes a eles.

Esclarece o artigo do diploma supracitado que é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.

Sigamos lutando pelo aprimoramento e atualização das políticas públicas na área da infância.

Afinal, compete a todos nós agirmos como protagonistas quando o assunto for proteção aos direitos e as garantias inerentes as crianças e adolescentes.

*Coordenador do Conselho Tutelar do Guará.

publicidade
zuleika

Quem é Zuleika Lopes

1

━ Relacionadas

Entenda o golpe do Pix errado e saiba como não ser enganado

Criminosos alegam transferência por engano e pedem devolução À medida que o Pix vai sendo cada vez mais utilizado para pagamento e transferência de dinheiro,...

Proteção legal para animais vítimas de maus-tratos no Distrito Federal

Publicado no DODF desta sexta-feira (19), texto proíbe o tratamento dos bichos como objetos e garante tutela jurisdicional em caso de violação de direitos O...

Park Sul tem seu templo regularizado por meio do Programa Igreja Legal

Governador Ibaneis Rocha entregou, na sexta-feira (19), à Mitra Arquidiocesana de Brasília o Contrato de Concessão de Uso Oneroso com Opção de Compra da...

Detran-DF realizará leilão de veículos nos dias 29, 30 e 31

Serão 873 veículos, sendo 388 destinados à circulação e 485 classificados como sucata O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) promoverá nos dias 29,...

Experiência HackaCity Guará 2024 com atividades para impulsionar o futuro da tecnologia na Escola Técnica

Prepare-se para uma experiência única e transformadora nos dias 20 e 21 de julho, a partir das 9h, no Guará. O evento HackaCity promete...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

error: Conteúdo protegido