20.5 C
Brasília

Hackers montam grupos no WhatsApp para tentar fraudar Pix

Data:

Compartilhe:

Com a promessa de dinheiro fácil, literalmente brotando na conta bancária, hackers montaram um grupo no WhatsApp com cerca de 250 “clientes”. Os estelionatários garantem ter descoberto uma forma de retirar valores de contas bancárias espalhadas pelo país e fazer a transferência para quem contrata os serviços. O suposto golpe seria possível fraudando chaves PIX, o que é chamado pelos golpistas de “chave PIX bugada”.

Durante três dias, a reportagem do Metrópoles acompanhou a movimentação no grupo, bloqueado para mensagens de usuários. Os administradores lançam informações sobre como os desvios financeiros funcionam. Segundo eles, as transferências de valores on-line ocorrem em, no máximo, 30 minutos.

“Se a sua conta usar PIX, o valor cai na hora”, promete um dos golpistas.

Os supostos hackers ressaltam que o pagamento feito por um cliente precisa ser realizado com antecedência. “Não existe a possibilidade de você fazer o pagamento depois de o valor acertado ser creditado na sua conta”, afirmam.https://18337a984d100947abf7ac419c3c4fcc.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Segundo os estelionatários, o esquema funciona da seguinte forma: o interessado compra um limite, fazendo o pagamento via boleto ou transferência bancária. Após a confirmação, os criminosos fazem a transferência de um valor superior.

Valores altos

Em postagens no grupo , os golpistas explicavam como funciona a tabela de preços a serem pagos. Cada pessoa que desejasse receber, por meio do PIX, o valor de R$ 1,5 mil, deveria pagar um seguro de R$ 220.

“Em geral, não há essa sofisticação ou hackers agindo, mas sim estelionatários que prometem algo que nunca será cumprido”, explicou.

Para R$ 2 mil, o valor pago seria R$ 250, e com R$ 3 mil o total transferido previamente era R$ 600. Gradativamente, a promessa de transferência fraudulenta seguia aumentando até R$ 100 mil, após o “cliente” pagar R$ 10 mil para os criminosos.

Procurado pela reportagem, o delegado-chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), Giancarlos Zuliani, explicou que, na maioria dos casos, os suspeitos prometem transferir uma grande quantia em troca do pagamento de um seguro ou taxa, mas que os valores nunca são transferidos.

“Em geral, não há essa sofisticação ou hackers agindo, mas sim estelionatários que prometem algo que nunca será cumprido”, explicou.

*Com informações do site Metrópoles

publicidade
zuleika

Quem é Zuleika Lopes

1

━ Relacionadas

GDF atualiza cálculo e barateia cobrança do preço público em ocupação de puxadinhos

Novo cálculo para todo o DF é o mesmo para o Plano Piloto e torna mais barato o valor a ser pago O GDF atualizou...

Ceilândia celebra o forró Pé de Serra na Casa do Cantador

A cultura nordestina atrai forrozeiros de todas as idades com uma experiência imersiva no ritmo, patrimônio cultural do Brasil Neste sábado, 13 de julho, o...

Carreta da Inclusão sai do Guará direto para o Recanto das Emas para atender pessoas com deficiência

Guará foi escolhido como ponto de partida do projeto, cujo objetivo é facilitar o acesso dessa população a políticas públicas do GDF Pessoas com deficiência...

Projeto de Lei quer “blindar” educação básica pública contra privatização

Texto também alerta sobre os riscos do aprofundamento das desigualdades de ensino e da ameaça à transparência no uso dos recursos públicos na educação O...

Policial penal da Papuda vai preso por integrar célula criminosa dentro da prisão

A Polícia Civil do Distrito Federal, por meio da Delegacia de Repressão ao CrimeOrganizado (DRACO), vinculada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao...

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

error: Conteúdo protegido